MEMÓRIA



MEMÓRIA

Desço a ladeira 
da minha memória
e procuro aquela casa
onde nasceu minha asa

Pra onde foi a cor
da minha casa rosa
meu pé de limão rosa?

Refaço os nós
dos dedos na nuca
folhas secas, meu cetim
sete copas sobre mim

Pra onde foi a nuvem
que lenta feito o dia
 dentre os ramos sorria?

Trago comigo
cheiro de terra vermelha
e o canto da minha história
bem plantado na memória

Esther Alcântara
16/11/2010

6 comentários:

Giovanna disse...

Olá Esther, lindo seu blog, cheia de poesia, de memoria, de lembranças, de palavras tecidas do coração.. gostei e me add. Abraços, Giovanna

Méia disse...

Neste momento me sinto varrendo as folhas secas da sete copas, deixando as marcas da vassoura de palha no chão...acabo de pisar em um limão podre...(varri muito aquelas sobras não colhidas. Lembra que achávamos um tantorosa demais aquele rosa preferido do Sargento Lélis? Mas ele estava certo - tinha que ser uma cor marcante...
Obrigada por essa viagem!Bjs. Méia

Méia disse...

Lindoooo!

André disse...

Bom dia, Esther!

eu também demoro a vir aqui, mas quando apareço fico sempre encantado quando leio um texto assim como esse. Mexeu com reminiscências minhas, com histórias de quase uma outra vida... Lindos seus versos, meus parabéns!

Beijos e bom domingo.

André

Eloí Bocheco disse...

Seus poemas são muito lindos, Esther! Gostei demais. Você mexe com todas as nossas saudades.
Um encanto seu blog!
Abração

Débora Brenga disse...

Olá Esther.

Te encontrei no facebook e de lá pra cá foi só um pulinho.

Seu blog está lindo. Tem delicadeza e vida.

Beijos